segunda-feira, 31 de março de 2014

Cartas à Nathália.


Para: Nathália Barbosa D.



Queria tanto você em casa, sempre espero seu telefonema. Nunca recebo. Você não costuma medir seu amor com números de ligações. Seu defeito não é preocupante. Você nunca mudou por mim, só que evoluímos juntos. Como nos filmes.

O amor há um tempo atrás te deixou frio, eu sei. Sei também que você sente minha falta, mas finge não sentir. Você é orgulhosa demais para assumir.

Já tentou por diversas vezes se guardar e não se abrir, até que um dia me encontrou. Eu senti algo entre nós, você me conquistou. E eu a você. Hoje percebo que somos tudo um para o outro. Compartilhamos nossos sonhos, nossos medos, felicidades e angustias. Somos um casal. Um casal... isso pra você ainda soa estranho? Logo você que prometeu não mais amar.

É difícil acreditar que algo entre nós aconteceu assim, rápido, bonito... Foi impossível não te amar a primeira vista. Ao primeiro sorriso. Difícil acreditar que ainda te amo como se fosse a primeira vista. Como se fosse o primeiro sorriso.

As cartas que te mando são do tamanho da saudade que sinto, do tamanho do meu amor. Receba-as com todo carinho, pois sou o homem que te fará feliz, irá te fazer mudar e provar que o amor é bem mais que todas essas cicatrizes. Estive passando por perto de sua casa , tentei chegar até sua janela,como nos filmes antigos. Me senti o Romeu, seja minha Julieta?




Com amor: Luiz C. Alcântara


Reações:

Um comentário: